Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Cordão de Ouro, o filme

um clássico da capoeira

Feito em 1976, o filme Cordão de Ouro representa um marco na história da capoeira no cinema nacional. Realizado em plena ditadura militar, o longa surpreende ao contar a história de um escravo que se rebela contra o sistema.

Num país fictício, Eldorado, Jorge é escravo de uma companhia de mineração de selênio, a Cia Progresso de Eldorado. Revoltado com a exploração de seu povo ele foge e recebe ajuda do Caboclo Cachoeira para escapar dos capatazes, que o perseguem de helicóptero. O Caboclo o conduz às sagradas terras de Aruanda, um “mundo feliz”, “a morada do bem, onde os rios são dourados da cor do mel e a mata é verde da cor das esmeraldas e no ar brincam para sempre as risadas felizes dos filhos de Oxalá”, como se diz numa das sequências mais poéticas do filme. Lá, Jorge conhece seu mentor espiritual, o orixá Ogum, que o espera para batizá-lo e testar suas habilidades no jogo da capoeira. Satisfeito, entrega-lhe também um amuleto de proteção – um cordão de ouro, com a estrela de Salomão – que vai “manter seu corpo fechado enquanto tu tiver coragem de olhar dentro dos olhos dos teus inimigos” e lhe confia a missão de voltar a Eldorado para lutar ao lado de seu povo contra as “falanges do mal”.

roda de Capoeira em Aruanda, com Mestre Leopoldina, Mestre Camisa e Nestor Capoeira, um verdaderiro clássico

O filme conta com um célebre elenco de capoeiristas: Nestor Capoeira (Jorge), Mestre Camisa (pintado de preto, como Ogum), Mestre Leopoldina (em seu impecável terno branco, no comando da bateria da roda em Aruanda), Mestre Peixinho e outros. Temos ainda uma participação do saudoso Pai José Ribeiro, numa cena em seu lendário terreiro de candomblé, o Castelo de Iansã Egum-Nitá. Atores como Antonio Pitanga, Zezé Mota e Jofre Soares completam o elenco do longa, dirigido pelo consagrado Antonio Carlos Fontoura.

Carregado de símbolos da religiosidade afro, indígena e da cultura popular, numa exuberante estética de vanguarda, o filme é de grande importância para quem se interessa a fundo pela história da capoeira, do cinema e da cultura nacional.

(Soldado Capoeira)

Um comentário:

  1. Salve soldado!
    Chupei a foto do video para ilustrar minha crônica sobre o filme e espero não chatea-lo por isso!
    Brigadão véio!
    Leiteiro

    ResponderExcluir